Veja como reduzir ao máximo o brilho da tela do seu smartphone

Por vezes, ao utilizarmos o smartphone em ambientes com pouquíssima luz, o brilho mínimo do aparelho ainda sim não é suficiente para o uso mais confortável. Pensando nisso, algumas ferramentas possuem a proposta de reduzir o brilho com mais intensidade, facilitando a utilização nesses ambientes.
A ferramenta que apresentaremos para isso é a Dimmer - Escurecer Tela. O app é gratuito e conta com um manuseio simples. Lembre-se que é necessário ativar a sobreposição sobre outros aplicativos para seu correto funcionamento.
Ao abrí-lo, a tela irá escurecer até um nível mais baixo que o normal. É possível aumentar ou diminuir a intensidade através das setas indicadoras presentes na barra de notificações. (Para cima, aumenta o brilho, para baixo, diminui.)

Ao apertar na notificação, você acessará um menu de configurações adicionais que a ferramenta oferece, onde é possível alterar, dentre outras coisas, o brilho mínimo e máximo suportado e até a aplicação de um filtro de cor.

Quer conhecer f…

Suas mensagens estão seguras? Conheça a criptografia de ponta-a-ponta

A criptografia de ponta-a-ponta utilizada por Whatsapp e Telegram
Imagem: Pixabay.com

Na medida em que crescia a popularidade dos smartphones e, juntamente com eles, dos aplicativos de mensagens, surgiu a necessidade de proteger as informações compartilhadas com um método seguro e ágil. Nesse contexto, a criptografia de ponta-a-ponta, ou end-to-end encryption, como também é conhecida, mostrou ser uma ótima opção.

Como funciona

O que a criptografia faz é, basicamente, embaralhar um determinado conteúdo e exigir uma chave para que tal informação seja revelada.

A ideia por trás do processo é fazer com que apenas o remetente (quem envia) e o destinatário (quem recebe) tenham acesso ao conteúdo de uma mensagem. Isso significa que quem armazena as mensagens não pode ver o que há nelas. Graças a isso, as mensagens que porventura venham a ser interceptadas não terão seu conteúdo revelado.

O processo também torna inviável a leitura do conteúdo por meio de ordem judicial, uma vez que a empresa responsável não tem posse da chave necessária para descriptografar o conteúdo.

Quais aplicativos utilizam

Os mais conhecidos são o Whatsapp e o Telegram. O recurso é ativado por padrão e não é possível desativá-lo nas duas ferramentas. Alguns serviços de email também utilizam a tecnologia, tal como o ProtonMail, ferramenta que já foi abordada recentemente.

Tudo está a salvo?

Obviamente não. O recurso é utilizado apenas no momento da transmissão do conteúdo. Caso o seu smartphone seja invadido ou contenha algum malware, é possível que as mensagens sejam interceptadas em texto simples, da forma como ela é exibida no aplicativo. Neste caso, a responsabilidade é de cada usuário.

Assim como há multiplas maneiras de se obter acesso ilegal à informações, se faz necessário que utilizemos multiplas formas de nos proteger. No caso dos smartphones, instalar uma ferramenta antivírus, baixar arquivos de fontes confiáveis, evitar conectar-se em redes wi-fi desconhecidas e ter cuidado na hora de conceder permissões para aplicativos são algumas soluções eficazes.

Controvérsias

Apesar do sistema ser um motivo de alívio para os usuários comuns, criminosos acabam se aproveitando da segurança oferecida para articular crimes com maior liberdade. Além, é claro, do sistema atrapalhar na hora de provar algum fato tendo como base mensagens trocadas.

Tendo isso em mente, diversos órgãos já entraram e ainda entram em combate com as empresas para que um método que permita a leitura das mensagens seja implementado. Essa solução, no entanto, é claramente menos segura e privativa.

Para se ter uma noção, já foi ventilada a possibilidade de proibir a implementação da criptografia de ponta-a-ponta.

Referências: TechTudoiGWhatsappTecnoblog.